Bem Vindos

22/Jun/2013 – 03/Ago/2013

Voltar a lista de exposições

Navegação

  • Press Release
  • Press Release

    A Zipper apresenta a mostra Bem-vindos, com trabalhos de 6 artistas recém-chegados ao grupo representado pela galeria.


    A colombiana Adriana Duque fotografa personagens perturbadores e atraentes ao mesmo tempo, crianças vestidas luxuosamente em cenários barrocos que parecem se sobrepor, como numa fantasia, ao real de interiores domésticos humildes. Posando como pequenos monarcas, as crianças têm o mesmo par de olhos azuis e envergam uma coroa que marca a contemporaneidade por ser também um fone de ouvido. O luxo essa coroa sonora mantém-nas em um secreto mundo de sons (ou silêncio abafado) que só elas ouvem e que sustenta a fantasia alienada.


    Do México, Ricardo Rendon nos envia feltros que são pacientemente furados e fazem uma síntese entre artesania e processos mentais. A partir de um retângulo de feltro, o artista produz dezenas de variações ao esvazia-lo de matéria, extraindo centenas de rodelas do tecido, que surpreendentemente não desaparece, mas fortalece-se na nova forma.


    De Portugal, Rodrigo Oliveira olha para o Brasil e explicita, pela menção à arquitetura moderna e a itens industriais estereotípicos, como sandálias de borracha e bolsas que falsificam grifes, os paradoxos de uma sociedade que amalgama plenitude de recursos e carência social.


    Daniel Escobar apropria-se de produções gráficas como guias de viagem ou pedaços de outdoors publicitários, feitos para comunicar uma mensagem inequívoca, e transforma-os em obras abertas que incitam a crítica a métodos da sociedade do controle.


    Marcelo Amorim invoca a infância em imagens também apropriadas de manuais e fotografias que ditam regras de comportamento, reproduzindo-as à mão e velando-as com uma camada leitosa, que as torna difusas, exatamente indefinidas como os processos de assimilação de padrões de conduta antes da idade adulta.


    Camille Kashani faz reviver a madeira morta dos cabos de vassouras e enxadas, dos bancos e caixas, como se a árvore derrubada para confecção de objetos utilitários voltasse à vida, negando-se a uma função servil.


    A todos, bem-vindos à Zipper.


    Curadoria: Paula Braga

    Texto crítico

    None

    Catálogo