Autofágico

Pedro Varela

15/Jun/2019 – 27/Jul/2019

Voltar a lista de exposições

Press Release

A representação do imaginário tropical – ou daquilo que se constituiu como discurso dominante em relação aos trópicos – tem sido o principal objeto de investigação de Pedro Varela. Se, em séries anteriores, o artista tratou do tema a partir da monocromia e de uma certa frieza, nas pinturas reunidas em sua nova individual na Zipper, aberta no dia 15 de junho, predomina uma exuberante paleta de cores, muitas vezes dissonante e contrastante. “Autofágico”, com curadoria de Marcelo Campos, é a quarta individual dele na galeria.


[Clique aqui para fazer um tour virtual pela exposição]


A diversidade cromática reforça a relação de diálogo entre figuração e abstração presente na obra de Pedro Varela. “Os trópicos ganham estranheza através destas cores. Em alguns momentos, chegam a ser psicodélicos, com rosas e verdes fluorescentes. Em outros apresenta tons que poderiam estar em pinturas de Guignard, Tarsila do Amaral, Glauco Rodrigues, Segal ou gravuras de Goeldi”, comenta o artista.


Mas não só as cores marcam a diferença em relação às séries anteriores. Em “Autofágico”, o artista faz releituras de gêneros clássicos da pintura – como natureza morta e paisagem – em trabalhos nos quais se imbricam uma infinidade de personagens, paisagens inventadas, uma “botânica alienígena”, textos, formas abstratas, misturadas às referências europeias de representação dos trópicos e os elementos da história da arte.


Outra característica que sobressai dos trabalhos é a busca do artista por um universo híbrido, de narrativa não linear, com alusões do carnaval aos artistas viajantes, do barroco mineiro ao modernismo antropofágico. “Abri espaço para uma discussão sobre a vida contemporânea. São pinturas que de alguma maneira tentam ser autofágicas em relação a nossa cultura, digerindo e regurgitando o que foi absorvido durante nossa modernidade”, ele afirma.


“Autofágico” fica em cartaz até 27 de julho.


Sobre o artista


Pedro Varela (Niterói, Brasil, 1981) vive e trabalha em Petrópolis, Rio de Janeiro. O artista mistura referências literárias e do período barroco em pinturas que remetem a um mundo tropical imaginário. Com um forte caráter de narrativas visuais, suas obras exploram a ideia do exótico frequentemente associada aos trópicos. Em séries mais recentes, Varela vem alternado pinturas em tons vibrantes e formas psicodélicas e outras em paletas de cores reduzidas, como monocromáticos em preto, branco e azul. Tem trabalhos nas seguintes coleções: Coleção SESC (São Paulo-SP); Gilberto Chateaubriand/Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ); Montblanc México (Cidade do México); Sprint Nextel Art Collection, Overland Park; Museu de Arte do Rio, Rio de Janeiro (MAR-RJ). Entre suas principais exposições destacam-se: “Pedro Varela”, Zipper Galeria, São Paulo, 2016; "O grande tufo de ervas (Com Mauro Piva)", Galeria do Lago – Museu da república, Rio de Janeiro, 2015; "Crônicas tropicais", MDM Gallery, Paris, 2015; "Tropical", Galeria Enrique Guerrero, Mexico DF, 2014; "Dusk to dawn… Threads of infinity (com [with] Carolina Ponte)", Anima Gallery, Doha, Catar, 2014; "Pedro Varela", Centre Culturel Jean-Cocteau, Les Lilas, 2014; "Pedro Varela", Xippas, Montevidéu, 2013; "Le Brésil Rive Gauche", Le Bon Marché Rive Gauche, Paris, 2013; "Tropical", Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 2012; "Ficções", Caixa Cultural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015; "Anima Gallery two years anniversary", Anima Gallery, Doha, Qatar, 2014'; "Latina", Xippas Art Contemporain, Genebra, 2014; "Repentista", Gallery Nosco, Londres, 2014.


Sobre o curador


Marcelo Campos. Possui graduação em Comunicação Social - Faculdades Integradas Hélio Alonso (1994), mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001) e doutorado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, professor efetivo do Programa de Pós Graduação em Artes/UERJ, Diretor do Departamento Cultural da UERJ. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Crítica da Arte e Curadoria, atuando principalmente nos seguintes temas: arte contemporânea, artes visuais, história e teoria da arte, antropologia da arte e brasilidade.

Texto crítico

“(…) comeu no dicionário as palavras que poderiam se juntar em versos” , comeu plantas e frutas, flores e os restos dos corpos que se tornaram só cabeça. Comeu as bordas das imagens que antes seriam paisagem. Comeu riscos sem se preocupar com a continuidade dos traços. Comeu arquiteturas que se adaptaram facilmente a viver sem pedaços. Comeu frases da internet. Comeu as cidades, a mata, os retratos, a natureza que nasce compacta, mas que é comida a cada dia. Devoração tornou-se gesto e consciência autofágicos nos recentes trabalhos de Pedro Varela. Devorar é verbo impositivo para quem resolve se lançar nas atividades da criação.


O ato de rever seus próprios desenhos e pinturas, recortando-as e aproveitando os pedaços, talvez, seja um fato, desde o início da produção de Varela. Portanto, aqui, não se trata da “hipocrisia da saudade”, nos termos do Manifesto Antropófago , de Oswald de Andrade. Selecionar, seccionar, dar sentido aos papeis em fragmentos, imaginar aparições são procedimentos que vemos em trabalhos do artista ao longo de sua trajetória. Como nas reflexões sobre a antropofagia, sempre nos insurgimos contra a afirmação de que “nunca tivemos gramática, nem coleções de velhos vegetais”. Ao contrário, a importação de normas e regras de conduta de outras culturas foi uma adaptação canhestra, malograda, e a resposta mais coerente a tanta referência global seria a frustração “contra todos os importadores da consciência enlatada”. Na recente produção de Varela, um interesse renovado e vivamente em diálogo com o presente tornam o lugar da fantasia “enlatada” - condição futurista - e da colagem, mecanismos de suspensão e agilidade do dizer.


Nas pinturas, por outro lado, a tropicalidade sobrevêm, antes de modo discursivo. Vemos um possível diálogo entre Eckhout e Guignard. Frutos, flores, vegetação não ordenada compõem a observação sobre um lugar que não se revela. A insistência em exibir uma natureza aberta, em floração, remonta, de outro modo, ao próprio legado das pinturas de natureza-morta, quase se aproximando de uma leitura erótica. Um orientalismo também pode ser observado, em simulações de paisagem, como nas gravuras Ukiyo-e, em que os intervalos do desenho colocam a representação flutuante. Nas pinturas de Varela, as referências orientais encontram o artista, também pelos gestos que sempre o caracterizaram. E, aqui, há desmanchadas montanhas que nos conduzem, inevitavelmente, a Guignard.


Ainda mantendo certo desejo infantil, Pedro lança-se à acidez das cores, levando a paisagem a lugares impossíveis. Nos desenhos, as cabeças separadas, como na condição dos retratos, autonomizam as histórias, não reconhecemos heróis, mundializamos sinais. Símbolos da reciclagem, punhos serrados em atitude de luta misturam-se a perguntas disparatadas: “Quando foi que tudo isso começou?”, “Vai ficar pior”. As frases retiradas de contexto, também utilizadas nas colagens, rapidamente ganham sentido, se reconectam, geram circularidade. Talvez, aqui, a criação de “roteiros”, hoje, bússolas para a virtualidade, nos reafirme a condição do que Oswald chamou de um “direito sonâmbulo”, um outro modo de se tornar eficaz, a partir de visões fragmentadas. Assim são os dias em que nos colocamos diante da pletora de imagens e frases no mundo virtual, mas ainda haverá outros mundos? Fatos se tornam, apenas, correlatos, onde a difusão pelas mídias gera comentários apócrifos. Vemos uma globalização carcomida, ora por gestos de absurda destruição, ora por enredos que só se tornarão legíveis quando legendados. Pressentir, pós-julgar. Estas são as condições do que constitui o que ainda podemos chamar: narrativa.


A cor, na produção de Pedro Varela, é ativada de vários modos. Em ocasiões mais independentes, lançam-se filtros, quase como nos modos de pós-produção, próprios do ambiente infográfico. Nas variadas vegetações, Varela cria certa sequencialidade da cor, separando áreas, adensando degradês. Imagens entram e saem de contexto, tal qual a lógica renovada, agora, mas já presente nas colagens cubistas. E o que atualiza as superposições são frases, palavras de ordem, “aqui na periferia do capitalismo”, “lugar estúpido”, “greve geral”. Assim, para além da fábula e do futurismo, há momentos de “aqui e agora”, onde nos situamos, ainda que em condições abstratas, nas agruras do mundo. Percebemos, de outro modo, certa “unificação de todas as revoltas”, verso também presente no Manifesto Antropófago.


Antropofagizar, autofagiar-se, rever pinturas antigas, dar tratos ao que ficou esquecido, mal feito, se vale de um pretexto que é olhar e reposicionar sua própria história. Em “Autofágico”, vemos Pedro Varela se aproximar de um gesto também aos pedaços, o gesto oswaldiano como mote para rever a condição antropofágica modernista, onde a força do fora se tornava renovada na síntese. O que deglutimos? O que devolvemos? Como lidar com a alteridade que está para além de padrões, em ambientes que objetivam ser mais infinitos? A colagem, antes um modo próprio de juntar pedaços, hoje, inventa contextos, fomenta conchavos, e se aproxima da mais sórdida vontade de poder que se lança a partir do falso, do “fake”, gerando ampliações inimagináveis. São promessas de mundos interiores que jamais poderão se tornar imagens. Tudo isso, faz o artista questionar a possibilidade de lidar com a alteridade, vontade primeira do modernismo brasileiro.


Se o que nos une é uma devoração, como nos termos de Oswald de Andrade, o que fazer com o que ficou em pedaços? “Autofágico” nos traz a produção de Pedro Varela que se insurge frente ao inacabado, estranhando o que sempre foi seu.


Marcelo Campos

Catálogo